quarta-feira, 24 de maio de 2017

#DiretasPorDireitos Senadores debatem PEC das #DiretasJa . Matéria deve ser votada na próxima semana na CCJ.

CNBB: TEMER NÃO TEM CONDIÇÕES ÉTICAS DE SEGUIR NO CARGO

Em uma contundente manifestação, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner diz que não há a mínima condição ética para que Michel Temer continue no cargo, após as revelações da JBS; "Nós pensávamos que o pior já tivesse passado. Claro que, de alguém que está há tanto tempo na política e num partido que também vinha sendo acusado na Lava Jato, se podia esperar alguma coisa, mas não nesse montante", diz o dom Leonardo; ele defende que a escolha do substituto de Temer deve passar pelo povo; "Penso que é sempre importante passar pelo voto, é sempre importante ouvir a sociedade", afirmou.

247 - Em uma contundente manifestação, o secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner diz que não há a mínima condição ética para que Michel Temer continue no cargo, após as revelações da JBS. 
"Nós pensávamos que o pior já tivesse passado. Claro que, de alguém que está há tanto tempo na política e num partido que também vinha sendo acusado na Lava Jato, se podia esperar alguma coisa, mas não nesse montante", diz o dom Leonardo em entrevista à BBC Brasil. "Por isso a presidência [da CNBB] tomou a iniciativa de emitir uma nota para dizer que, para alguém que exerce um cargo público, a idoneidade é tudo", acrescenta. '"Se alguém vem e diz que está subornando juiz e o Ministério Público, não é possível que quem está à frente do Estado não se mexa", afirma Steiner
Para o dirigente católico, as gravações da JBS mostram para o País que a coisa pública é tratada como vantagem pessoal, ou como vantagem do partido, de determinados grupos. "O que espanta é que falem de bilhões como se fossem mil reais." 
Sobre o processo de substituição de Michel Temer, dom Leonardo Steiner defende que a escolha deve passar pelo povo. "A outra saída em que se fala mais é do próprio Congresso eleger um novo presidente e um novo vice, no caso de renúncia ou de cassação do atual presidente. Mas penso que é sempre importante passar pelo voto, é sempre importante ouvir a sociedade", afirmou. 
O bispo católico disse também que o agravamento da crise política deve paralisar o andamento das reformas da trabalhista e da Previdência. "Como podem pessoas que estão tão envolvidas na Lava Jato decidir os destinos da população brasileira? Depois, há a necessidade de maior diálogo com a sociedade em relação, por exemplo, à [reforma da] legislação trabalhista. Sobre a terceirização, não houve diálogo. Sobre a reforma da Previdência, até agora não se mostraram os dados reais. Fala-se em deficit, mas como funciona a Previdência brasileira? É preciso debater muito mais", afirmou. 
Leia na íntegra a entrevista. 

Rejeitado por quase 100% dos brasileiros e investigado por corrupção, Michel Temer convocou o Exército; o recado foi dado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann

Rejeitado por quase 100% dos brasileiros e investigado por corrupção, Michel Temer convocou o Exército; o recado foi dado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, em coletiva de imprensa após a manifestação em Brasília contra as reformas do governo, que foi reprimida pela polícia com bombas e spray de pimenta; manifestantes fizeram uma barricada, jogaram pedras e pintaram paredes dos prédios dos ministérios, que foram evacuados; segundo Jungmann, Temer disse que não irá aceitar baderna; em nota, o secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil pediu a renúncia de Temer e disse que ele não tem condições éticas de governar o País.

Brasília 247 - Rejeitado por quase 100% dos brasileiros e investigado por corrupção, Michel Temer convocou o Exército. O recado foi dado pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, em coletiva de imprensa após confusão durante manifestação em Brasília contra as reformas do governo.
O ato foi fortemente reprimido pelo Choque, da Polícia Miltiar, com bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo e spray de pimenta. Manifestantes fizeram uma barricada, jogaram pedras e pintaram paredes dos prédios dos ministérios, que foram evacuados. Há feridos e detidos.
Segundo Jungmann, Temer disse que não irá aceitar baderna.
Em nota, o secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil pediu a renúncia de Temer e disse que ele não tem condições éticas de governar o País.

Aprovada emenda de Mineiro que cria linha de crédito para o artesanato

O Projeto de Lei que institui o Programa do Artesanato do Rio Grande do Norte (Proarte-RN) foi aprovado pelo plenário da Assembleia Legislativa, à unanimidade, na última terça-feira (23).  Dentre as alterações encartadas no projeto original, três são de autoria do deputado estadual Fernando Mineiro (PT). A principal delas prevê a criação de linhas de financiamento específicas para o artesanato, estimulando o empreendedorismo.
Essa emenda de Mineiro ao PL, encaminhado pelo Governo do Estado, prevê a criação de crédito e financiamento para produção e expansão do artesanato potiguar, estimulando o empreendedorismo e a criação de negócios na área do artesanato. Ela determina que competirá ao governo estadual apresentar as condições de uso e obtenção do crédito e financiamento, assim como a fonte dos respectivos recursos.
“Vou lutar para que o Executivo não vete e lutar para que saia do papel”, disse Mineiro. O deputado, em seus mandatos, tem sido parceiro da luta dos artesãos e dos agricultores familiares. “Precisamos buscar um equilíbrio entre quem produz e quem comercializa o artesanato e atender a ambos os setores”.
Outra emenda busca estimular e viabilizar a inscrição dos artesãos potiguares junto ao cadastro único dos artesãos do Brasil, de modo a unificar as informações em âmbito nacional, implementando a base de dados do Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (SICAB).
A terceira emenda de Mineiro acrescenta um representante da Fundação José Augusto (FJA), no âmbito da Cultura, no Colegiado que tratará da Proarte-RN – o projeto inicial só prevê representações das Secretarias Estaduais de Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sethas), de Educação (Seec) e Turismo (Setur). A emenda também determina que haja mais um representante dos comerciantes de artesanato no Conselho para garantir a paridade.

#OcupaBrasília por #DiretasJá e contra as reformas Trabalhista e da Previdência de Temer.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas dançando e texto

A imagem pode conter: texto

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

Parlamentares participam de coletiva sobre a entrega das 220 mil assinaturas pela saída de Michel Temer e do #OcupaBrasília

Repressão policial no #OcupaBrasília.

Repressão em Brasília: assista ao vivo. Povo vai botar policia e os políticos corruptos pra correr!


Paulo Pimenta fala sobre a repressão policial

Humor, faz parte!

Aqui obviamente falaremos sobre drama. Mas se você quiser, falaremos sobre humor.:

#OCUPABRASÍLIA LOTA CAPITAL CONTRA TEMER E REFORMAS

Milhares de manifestantes estão nas ruas da capital federal nesta quarta-feira, 24, para protestar pela saída de Michel Temer e sua agenda de retirada de direitos dos trabalhadores, e por eleições diretas; caravanas de todas as regiões do País, convocadas pelas principais centrais sindicais, marcham até o Congresso Nacional para pressionar os parlamentares pela suspensão da tramitação das reformas da Previdência e Trabalhista; organizadores esperam reunir 150 mil pessoas; "Pelo Fora Temer, por Diretas Já e para barrar essas reformas. Não basta mudar o presidente por eleição indireta. É preciso derrotar uma agenda", disse o coordenador do MTST, Guilherme Boulos; "Esta passeata é fundamental para mostrarmos que não aceitamos que este Congresso Nacional eleja um novo presidente da República. Não há legitimidade. É a continuidade do golpe", reforçou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Rede Brasil Atual - Milhares de manifestantes que participam das mobilizações convocadas pelas principais centrais sindicais do país seguem em marcha no início da tarde desta quarta-feira (24) em direção ao direção ao Congresso Nacional, em Brasília, para pressionar os parlamentares pela suspensão da tramitação das reformas da Previdência e Trabalhista, pela saída do presidente Michel Temer (PMDB-SP) e a realização de eleições diretas.
Durante a manhã, trabalhadores vindos de todas as partes do Brasil se concentraram nos arredores do Estádio Mané Garrincha. Eles saíram em caminhada pelas ruas da capital federal e, neste momento, seguem pelo Eixo Monumental, em direção ao Congresso Nacional. Os organizadores esperam reunir 150 mil pessoas.
O coordenador do MTST, Guilherme Boulos, avalia que esta pode ser a maior mobilização na capital federal dos últimos anos. "Pelo Fora Temer, por Diretas Já e para barrar essas reformas. Não basta mudar o presidente por eleição indireta. É preciso derrotar uma agenda. A única forma de derrotar as reformas é tirar Temer, que já perdeu a condição de governar, e garantir eleição direta, para que o povo decida", declarou na saída da concentração.
O coordenador da Central dos Movimentos Populares (CMP) e da Frente Brasil Popular (FBP), Raimundo Bonfim, reafirmou as motivações: "Temos três objetivos nesta marcha: o fim do governo Temer, a retirada as reformas e a exigência por eleições Diretas Já".
Dezenas de parlamentares, dentre eles os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) e a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), saíram do Congresso para se encontrarem com os manifestantes.
"Esta passeata é fundamental para mostrarmos que não aceitamos que este Congresso Nacional eleja um novo presidente da República. Não há legitimidade. É a continuidade do golpe", afirmou Lindbergh.

Villa Mix Natal terá segunda virada de lote



Natal/RN – 24 de maio de 2017 – Nesta sexta, dia 26, o Villa Mix Natal terá a sua segunda virada de lote. A festa, que promete muita animação dia 3 de junho em Natal, acontecerá na Arena das Dunas com uma megaestrutura. O line up inclui nomes de peso que já são aguardados ansiosamente pelo público, como Jorge e Mateus, Simone e Simaria, Matheus e Kauan, Israel Novaes, além dos estreantes, como a dupla sertaneja Pedro e Benício e o cantor revelação do forró, Jonas Esticado.  Compre o seu ingresso com valores congelados até o dia 25 de maio nas lojas Stalker do Midway Mall, Cidade Jardim e Norte Shopping ou acesse www.ticmix.com.br! O valor do ingresso pode ser dividido em até 3x sem juros nos cartões Hiper, Visa e Master.
O evento terá uma superestrutura de palco, bares e banheiros, além de contar com ambientação diferenciada, iluminação e efeitos especiais durante os shows. Os clientes Telepesquisa, Unimed, Cabo Telecom e associados OAB têm 50% de desconto no valor do ingresso inteiro para o Villa Mix Natal. O Villa Mix Natal marca o lançamento oficial do Carnatal 2017.
O público poderá optar entre três opções diferentes de setores. A festa conta com a área Villa VIP que dará acesso a praça de alimentação e banheiros, sem acesso à frente do palco. Na Villa Prime, além do acesso a praça de alimentação e banheiros, há o diferencial do acesso à frente do palco. Já no Backstage Brahma Golden Mix – área mais privilegiada do evento – o grande destaque é o seu open bar de cerveja, vodka, whisky, refrigerante e água. O Backstage também dará acesso à frente do palco, praça de alimentação e setor dos banheiros.
Serviço:
Villa Mix em Natal
Horário: 19h
Atrações: Jorge e Mateus, Simone e Simaria, Pedro e Benicio, Matheus e Kauan, Jonas Esticado e Israel Novaes
Dia: 03 de junho (sábado)
Local: Arena das Dunas
Vendas: loja Stalker (Midway Mall, Cidade Jardim e Partage Norte Shopping) e na Central do Carnatal no Natal Shopping
Vendas online: www.ticmix.com.br
Informações: Telepesquisa (84) 3026-3232.

A RECRIAÇÃO DO CONSENSO DEMOCRÁTICO

Por Emir Sader  um dos principais sociólogos e cientistas políticos brasileiros.
O fim da ditadura foi possível quando a grande maioria do povo se convenceu que a ditadura tinha levado o Brasil a um beco sem saída. Nao havia democracia e nem sequer crescimento econômico. A campanha das direitas teve força suficiente para gerar esse consenso, embora não suficiente para aprovar a emenda das diretas no Congresso.
O fracasso do governo Sarney esgotou o impulso democrático gerado na resistência contra a ditadura e abriu espaço para outros consensos. Collor e FHC representaram a vitória do consenso contra o Estado, responsabilizado por eles pela crise econômica e abriram no Brasil a era neoliberal.
Quando o governo FHC se esgotou, nem conseguiu controlar de vez a inflação, nem retomar o crescimento econômico e, ao contrário, intensificando a desigualdade e a exclusão social, o tema social foi projetado como o maior consenso nacional. Lula soube encarnar essa prioridade e os governos do PT reduziram, como nunca na história do Brasil, a pobreza e a miséria, a desigualdade e a exclusão social.
A direita conseguiu romper esse consenso, promovendo o de que o país padeceria essencialmente de corrupção e que a situação econômica teria desembocado num fracasso, devido ao uso excessivo do Estado e dos gastos públicos por parte dos governos do PT. A democracia política, o papel positivo do Estado, as políticas de distribuição de renda, foram desaparecendo da agenda pública, substituídas pelas denúncias de corrupção do PT e do seu uso do Estado, pelas visões do suposto fracasso econômico das políticas dos governos petistas.
O pacote de medidas antipopulares do governo Temer representou, ao mesmo tempo, o deslocamento da agenda nacional para o tema da contraposição entre o que esse governo representa para o país e para o povo e o que o governo Lula representou. Daí o ínfimo apoio que esse governo tem e a subida irresistível do apoio ao Lula.
Simultaneamente, as novas denúncias sobre corrupção de MT provocam sua iminente queda e colocam a questão da sua sucessão. Volta com força o apelo às eleições diretas, enquanto a direita busca, sofregamente, uma alternativa viável institucional e politicamente dentro do golpe.
A força da esquerda virá da capacidade de associar o caráter antipopular do governo golpista a seu caráter corrupto, associando a luta pelas eleições diretas tanto à necessidade de recuperação de um governo legítimo, quanto de um governo com sensibilidade para resgatar o crescimento econômico junto com o respeito aos direitos da população. A luta pela democracia tem que se articular com a luta pela recuperação econômica do país, pelo resguardo dos interesses do povo, pela retomada da redistribuição de renda.
O retorno da democracia será possível quando a massa da população sair de novo às ruas pedindo não apenas pelo direito de eleger o presidente, mas também pelo fim do pacote retrogrado do governo e por medidas de emergência que superem a crise na perspectiva da extensão dos direitos da cidadania. Quando sentir que o golpe significa fome, desemprego, recessão.a
A oposição democrática está conseguindo reduzir o governo à passividade. Qualquer movimento seu é pior para ele. Abandonou a votação do pacote de projetos no Congresso, só se defende, tem o tempo de vida daquele necessário para a definição do seu sucessor. É preciso manter o cerco sobre o governo e o Congresso, impedindo que este, agora ou depois que inventem outro presidente, tente retomar as medidas regressivas que iam votar.

As forças democráticas recuperam a iniciativa, as diretas-já são seu objetivo, assim como derrotar as tentativas de repressão a Lula. Ao Fora Temer se somam o Diretas-Já e o Lula-lá.

Trabalhadores ocupam Brasília para barrar as reformas

Trabalhadores ocupam Brasília para barrar as reformas. As centrais sindicais dão mais um passo nesta quarta-feira (24) no movimento de resistência contra as reformas da Previdência e trabalhista. As entidades dos trabalhadores ocupam Brasília com o apoio das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo para realizar a 9ª Marcha da Classe Trabalhadora. A concentração será ao lado do Estádio mané Garrincha e às 11h a manifestação se dirige ao Congresso Nacional. O objetivo agora é impedir o atropelo nas votações.


 
 

Principal interessado na aprovação das reformas, em especial a trabalhista, o empresariado não esconde mais que o ilegítimo Temer foi um instrumento para acabar com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e com a aposentadoria. 

A força da bancada empresarial no Congresso se manifestou nesta terça-feira (23) na sessão da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), que tratou da reforma trabalhista. Após muito tumulto e discussão, o relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES) suspendeu a sessão, que não foi retomada, e - sob protestos da oposição - deu como lido o relatório, que propõe a aprovação do texto tal qual foi aprovado na Câmara. 

Segundo Alysson Alves, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) “a lógica é aprovar tudo, o Presidente veta  pontos e eles voltam como medida provisória. Uma piada! Um insulto ao trabalhador brasileiro!”

A conta do golpe

Para o presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, fica evidente na atual conjuntura que o “conluio golpista” não estava interessado em recuperar a economia mas sim em jogar a crise nos ombros dos trabalhadores.

“Eles investiram tanto para financiar esse golpe, tiraram um mandato constitucional, agora querem receber o dinheiro de volta com a redução do custo da mão-de-obra, fim da CLT, ampliação da jornada, contratos precários. Tudo isso é a confirmação de que foi concretizado um golpe do capital contra o trabalho. Não tem mais o que esconder”, completou Adilson.

Intimidar o movimento sindical

Como aconteceu em manifestações recentes, circulam rumores de que o Congresso estará cercado por aproximadamente 5 mil policiais nesta quarta-feira. Segundo Adilson, está sendo montado um campo de guerra em Brasília incluindo barreiras e fila indiana para entrar na Esplanada.

“Querem dificultar qualquer possibilidade de manifestação contra esse golpe que pretende consagrar o fim dos direitos laborais e previdenciários e instituir o trabalho escravo”, afirmou Adilson Araújo, presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

Superar expectativas


Mais de 300 ônibus com militantes de todo o país é a conta que a CTB deve levar a Brasília. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical prometem levar de 20 a 30 mil trabalhadores para a marcha. Participam da marcha ainda a Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Intersindical, CSP-Conlutas, Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e União Geral dos Trabalhadores (UGT).

“O Brasil se desloca para Brasília fazendo pressão nas ruas em uma marcha que está superando as nossas expectativas”, declarou o presidente da CTB, Adilson Araújo. Na opinião dele, as centrais sindicais não vão permitir que se aproveitem do clima de instabilidade para salvar “na calada da noite” interesses particulares. 

Para o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, a reforma trabalhista interessa aos empresários e a reforma da Previdência ao mercado financeiro. “O movimento sindical já tinha percebido isso porque a maioria das propostas colocadas para o debate estavam no plano da Confederação Nacional da Indústria (CNI)”, observou Juruna.

Saída democrática

“As centrais de um modo geral querem encontrar soluções democráticas para a crise e vão tomando conta da dimensão do estrago que a crise política está provocando nos trabalhadores. Então não há outro caminho que não seja fazer um grande movimento político de massas em defesa do brasil, motivado pela constituição de uma ampla frente democrática e em defesa do desenvolvimento, crescimento econômico e da geração de emprego e renda”, afirmou Adilson. 

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, criticou a velocidade da apresentação do relatório da reforma trabalhista nesta terça-feira. Segundo ele, o debate deveria ser ampliado e envolver setores diversos.

“Esta agenda foi mandada com sete pontos pelo governo e saiu de lá com 117 pontos. A quem interessa a calibragem desta reforma, que revoga e flexibiliza direitos e cuja experiência no mundo inteiro, como na Espanha, teve como consequência imediata o achatamento da massa salarial? A precarização e a rotatividade jogam os salários lá embaixo. Na Espanha foi 100%. Cem por cento dos salários caíram”, lembrou Renan.

Ele também afirmou que o ministro da Fazenda Henrique Meirelles deveria ter sido demitido por afirmar que as reformas avançariam independente da situção do presidente. Renan deverá participar do ato político durante a marcha dos trabalhadores.



SANDRO MABEL PEDE DEMISSÃO. É O 4º ASSESSOR DIRETO DE TEMER A SAIR


Ex-deputado Sandro Mabel (PMDB-GO) pediu demissão na noite desta terça-feira (23) a Michel Temer; é o quarto assessor direto de Temer a deixar o governo em meio a denúncias de corrupção; além de Mabel, já saíram José Yunes, Rodrigo Rocha Loures e Tadeu Fillipelli; o Ministério Público de Goiás requisitou na semana passada a instauração de um inquérito para apurar supostos pagamentos ilícitos feitos, em 2010, por ex-executivos da construtora Odebrecht ao então deputado federal Sandro Mabel; valor seria de R$ 100 mil, pagos por meio de recursos não contabilizados, mas registrados no sistema "Drousys", usado para contabilizar pagamentos em propina da empreiteira.

247 - O ex-deputado Sandro Mabel (PMDB-GO) pediu demissão na noite desta terça-feira (23) a Michel Temer. É o quarto assessor direto de Temer a deixar o governo em meio a denúncias de corrupção. Além de Mabel, já saíram José Yunes, Rodrigo Rocha Loures e Tadeu Fillipelli.
Segundo a jornalista Andreia Sadi, o Ministério Público de Goiás requisitou na semana passada a instauração de um inquérito para apurar supostos pagamentos ilícitos feitos, em 2010, por ex-executivos da construtora Odebrecht ao então deputado federal Sandro Mabel. O valor seria de R$ 100 mil, pagos por meio de recursos não contabilizados, mas registrados no sistema "Drousys", usado para contabilizar pagamentos em propina da empreiteira.
Tido como um dos principais articuladores do governo, Mabel despachava no terceiro andar do Palácio do Planalto e era um dos interlocutores do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) junto ao governo. 
Veja a carta de Mabel a Temer:

Pais e Filhos: Maternidade é decisão e ação!


Maternidade é decisão e ação. É provável que o desejo da maternidade esteja presente em muitas mulheres.
Dessas, algumas querem e podem gestar filhos; outras podem gestar e optam por concebê-los em seus corações.
Com o avanço da medicina, diversos métodos viabilizam a fertilização in vitro, viabilizando às mulheres a realização do sonho da maternidade.
Para algumas mulheres esse sonho oneroso financeira e emocionalmente é frustrado, por diversos problemas. A adoção poderia ser o caminho para a concretização desse sonho, mas nem sempre esse caminho é a solução, pois muitas mulheres concebem a maternidade com o tom visceral: carne da própria carne.
Já, algumas mulheres cuja maternidade ultrapassa o elo físico, a adoção tem sido uma doce opção, porque de um lado favorece a diversos pretendentes o direito a ter seu filho; por outro configura a luz no túnel para diversas crianças que desejam ter uma família, um lar para chamar de seu.
Com o aparato da lei brasileira, o processo de adoção foi facilitado em 10 passos.
Independente, se pelo laço de DNA ou pelos laços do coração, você gera ou adota uma pessoa. Alguém único sem comparações. Alguém que traz em sua história características de sua família fisiológica, que merecem e devem ser respeitadas.
Você será a referência, o alicerce desta criança, o grande educador, o mentor, o alicerce fundamental, para que essa pessoa adquira novos comportamentos, novas crenças que possam lapidar sua personalidade, construir valores e fortalecer a construção de uma pessoa feliz. E, ambos serão a parceria que ultrapassa o tempo e o espaço.

Contudo, antes da decisão pela maternidade adotiva ou uterina, faz-se necessária uma reflexão profunda dos motivos pelos quais você quer SER mãe.

Lembro-lhe que seu filho bebê, criança, adolescente, não importa a fase, essa pessoa:
  1. terá seus momentos de indisciplina, rebeldia;
  2. poderá expressar seu Self com diversos elementos – igualmente inaceitáveis pela família;
  3. talvez decepcione você com suas atitudes, escolhas e comportamentos.
Faço-lhe então, uma ÚNICA pergunta:
Maternidade é o que você deseja para a sua vida?
Se a resposta for não… Faz sentido para você que sua missão esteja em outra seara, tais como na profissional, na adoção de pets, tia, madrinha, educadora e benemérita de outras vidas.
Se a resposta for sim… Bora lá transformar a decisão em ação, afinal Maternidade é Maternidade e ponto final.
Abraços Resilientes da Melcina.
Melcina Moura Moreno, 17/05/2017
 __________
Direitos autorais da imagem de capa: dolgachov / 123RF Imagens

Agenda de hoje do Deputado Mineiro (PT)

Nossos sentimentos aos Famíliares do nosso amigo Lula

Resultado de imagem para nota de falecimento
Em nome de toda uma geração, a nossa geração prestamos nossa solidariedade e sentimentos a todos os nossos amigos e familiares de Lula, filho de Dona Luzia e seu Joaquim.
O falecimento de Lula pegou todos/as nos de surpresa, um amigo de infância, o qual estudamos, crescemos, jogamos bola, tomamos cachaça juntos, uma geração que sabe muito bem o que vivemos juntos, eu, maia seu irmão, Dindo, Meiota, Minho, Edilson, Edivaldo, Joãozinho, Junior, Flávio, Tonho, Aiau, Mento, Zé Wilson, Alberi, Betinho. Alguns desses citados foram prestar suas ultimas homenagens ao velho amigo em sua missa de corpo presente e em seu velório no cemitério local de nossa cidade, São Gonçalo do Amarante.  
Lula casou-se, virou pai de família, construiu sua historia com honra e sobriedade.  Nos vamos sempre lembrar do amigo com carinho. "Ás pessoas que amamos, admiramos e respeitamos, estará sempre em nossa mais ressente recordação".
Que Deus de a paz necessária para seu descanso eterno na luz.
Marcos Imperial.

terça-feira, 23 de maio de 2017

Em respeito à população do Rio Grande do Norte, a senadora Fátima Bezerra esclarece e reafirma, mais uma vez, o que se segue:

Eu não fiz contato, não recebi diretores, não conheço os proprietários do grupo JBS. Minha prestação de contas, entregue e devidamente aprovada pela Justiça Eleitoral, é clara:

Nossa campanha recebeu uma doação de R$ 500 mil, via Direção Estadual do PSD do RN (CNPJ 14.862.435/0001-50), em 18/07/2014, cujo doador originário foi a empresa JBS S/A. Ou seja, quem recebeu da empresa foi o PSD e não nossa campanha.

Posteriormente, em 10/09/2014 e 15/09/2014, a Direção Nacional do PT (CNPJ 00.676.262/0001-70) fez duas outras doações à nossa campanha, nos valores de R$ 190 mil e R$ 475 mil respectivamente. Mais uma vez, nosso doador direto foi o PT e não a JBS.

Naquele ano, a legislação vigente permitia o financiamento privado de campanhas e essas doações foram legais, tanto que estão devidamente informadas à Justiça Eleitoral.

Há uma confusão, não sabemos se por desconhecimento ou se de forma proposital, acerca das doações privadas das campanhas passadas no Rio Grande do Norte e no país. A população precisa ser informada sim, mais do que nunca! Mas é necessário responsabilidade com a verdade.

Eu jamais esconderia o nome de qualquer empresário que contribuísse com o financiamento de minhas campanhas, até porque eu faço política com honradez, não a utilizo como moeda de troca.

Para maiores informações, é possível consultar ainda o site do TSE, no link http://www.tse.jus.br/…/divulgacao-da-prestacao-de-contas-e…

Senadores se agridem, manifestantes protestam e sessão sobre reforma é suspensa

Senado
Senadores da oposição se rebelam contra tentativa de Ferraço de tratorar tramitação de projeto que reduz direitos.

Discussões entre oposicionistas e base do governo sobre reforma trabalhista, com interferência de pessoas que acompanhavam trabalhos, aumentaram de temperatura. Surpresa foi declaração de Renan.

Brasília – Apesar de Senado e Câmara estarem em pleno período de trabalho, cada um de um lado do Congresso, desde as 16h vários deputados estão no Senado, para onde correram na tentativa de acalmar os ânimos de senadores e manifestantes que acompanhavam a leitura do relatório da proposta de reforma trabalhista, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Embora seja comum em dias tensos como hoje (23) a troca de farpas e agressões verbais entre os parlamentares, o ambiente esquentou ao máximo em função dos gritos dos cidadãos que ocupavam a CAE em frases como “Fora Temer”, “Ou param as reformas ou paramos o Brasil”, “Queremos Jucá preso e “Golpistas”, além de discussões entre os próprios parlamentares – o que levou a sessão a ser suspensa.
O relator da reforma, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), foi aconselhado pelo líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR), a deixar a sala e aguardar numa sala em anexo à CAE, enquanto tentam apaziguar a confusão, mas oposicionistas dizem que não tem jeito: vão obstruir a votação. Jucá, por sua vez, tenta recorrer aos aliados pela continuidade dos trabalhos.
O ponto forte do embate foi a briga entre os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Ataídes Oliveira (PSDB-TO), que só não se esmurraram porque foram impedidos por colegas. “Bandido”. “Bandido é você, moleque” – esse foi o "diálogo" observado entre os dois.

Fator Renan

Numa cena que surpreendeu, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que já tinha se manifestado há meses contra as reformas, mas vinha abordando a crise política de forma discreta, manifestou-se ao lado dos oposicionistas de forma contundente. Renan afirmou que considera “inadmissível um governo que possui tamanha rejeição fazer uma reforma com características tão unilaterais”. Acrescentou que atual proposta foi feita, a seu ver, “para os empresários e não para os brasileiros”.
Renan também criticou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Disse que Meirelles passou para o mercado a impressão de que, mesmo com a saída de Temer, as reformas teriam tramitação continuada no Congresso. “Esse ministro deveria ter sido demitido por isso, se fosse eu o presidente. Foi uma declaração que passou do ponto”, ressaltou. Apesar disso, o senador destacou ser contrário ao impeachment de Temer por achar que será “mais um desgaste para o país”. Ele defendeu a busca por “uma solução constitucional” para a crise política.
Lindbergh Farias (PT-RJ), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) argumentaram que, apesar de terem sido vencidos na apreciação de um requerimento que pediu o adiamento da votação do relatório de Ferraço, consideram necessário que a comissão vote todos os outros requerimentos protocolados na mesa, com o mesmo propósito. Isso porque, de acordo com eles, cada um menciona motivos diferentes.
Gleisi lembrou a importância de serem respeitadas regras regimentais e Farias disse que não foi honesto o relator da matéria, depois de ter anunciado na última semana a suspensão dos trabalhos, resolver apresentar o relatório sem ter conversado com os líderes. “Não é assim que se trabalha neste Congresso. Exigimos respeito”, reclamou.

Sem trégua

Embora a situação esteja aparentemente mais calma, a discussão continua, porque os dois grupos insistem em suas colocações e não abrem trégua. A base que dá sustentação ao governo tenta garantir a retomada da sessão da CAE para a votação do relatório ainda hoje. A oposição diz que não irá permitir.
“Daqui a pouco vão queimar pneus aqui dentro”, reclamou Jucá para os jornalistas, ao falar sobre a tensão que impera na Casa. “Argumentem da forma que quiserem, deem as desculpas que quiserem. O que eles desejam, que é validar essa reforma diante de um ambiente de instabilidade desse presidente ilegítimo, não vai acontecer dessa forma. Até ser formalizado o pedido de impeachment do senhor Michel Temer os trabalhos ficarão obstruídos”, provocou Lindbergh Farias.
Relatório é 'dado como lido', e oposição contesta

O relatório da "reforma trabalhista" não foi apresentado formalmente, mas a bancada governista considerou o texto "dado como lido", o que provocou contestação dos oposicionistas. O relator, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), não apresentou mudanças, apenas sugeriu alguns vetos, para evitar que o projeto tivesse de retornar à Câmara. Tumultuada, a sessão da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) foi encerrada sem que o texto fosse lido.

A confusão começou depois que a CAE rejeitou requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pedindo que o relatório não fosse lido, alegando questões do regimento interno. A votação foi apertada: 13 votos a 11. Em seguida, Ferraço não conseguiu apresentar seu parecer. Alguns parlamentares trocaram empurrões.

"Não quero crer que aquele relatório foi lido. Não existe essa figura no regimento interno da Casa", afirmou, já em sessão no plenário, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). "O que o Parlamento não pode fazer é tentar fazer de conta que não tem problema nenhum e que a Casa está trabalhando normalmente."

Os governistas querem manter a tramitação das reformas, apesar da crise que atingiu frontalmente o governo na semana passada, com a divulgação de denúncias vindas de executivos da JBS. A oposição alega que não há clima político para discutir temas dessa complexidade. Também no plenário, Humberto Costa (PT-PE) pediu que o presidente do Senado convoque uma reunião de líderes. "Não creio que o melhor caminho, antes da solução da crise, seja fazer a votação dessas reformas", afirmou, dizendo que o Congresso vive uma situação sui generis.

"Vocês não vão tirar direitos dos trabalhadores na mão grande, não", reagiu Gleisi Hoffmann (PT-PR). "O que temos de fazer aqui é ter espírito público e antecipar as eleições de 2018."

Entre os pontos em que Ferraço sugeriu vetos presidenciais, estão a regulamentação do trabalho intermitente e a possibilidade de acordos individuais fixarem jornada de 12 por 36 horas. Além disso, está o dispositivo que permite a gestantes e lactantes trabalharem em locais insalubres e o item que acabava com descanso de 15 minutos para as mulheres antes de iniciar um período de horas extras. (Vitor Nuzzi)

Fato!

Fato:

Ocupa Brasília dia 24! Diretas Já!

Instagram é a pior rede para a saúde mental dos adolescentes

Modelos posam para foto tirada com celular.
© STEVEN SAPHORE Modelos posam para foto tirada com celular.

As redes sociais mais populares são fonte de inumeráveis benefícios e vantagens para seus usuários, mas também geram efeitos colaterais pouco saudáveis. Um novo estudo, realizado entre jovens britânicos, aborda um problema muito particular: o bem-estar e a saúde mental dos usuários de tais serviços. Segundo esse trabalho, o Instagram poderia acabar sendo a rede social mais nociva entre os adolescentes, por seu impacto na saúde psicológica dessa faixa etária mais vulnerável. Atrás dele, embora também com notas negativas, estariam Snapchat, Facebook e Twitter. A única rede avaliada positivamente é o YouTube, o portal de vídeos da gigante Alphabet.

“Os jovens que passam mais de duas horas por dia em redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram estão mais propensos a sofrerem problemas de saúde mental, sobretudo angústia e sintomas de ansiedade e depressão”, diz o estudo, realizado pela Real Sociedade de Saúde Pública do Reino Unido e pela Universidade de Cambridge. Para analisar o possível impacto sobre a juventude britânica, os especialistas estudaram as atitudes de 1.500 indivíduos de 14 a 24 anos nessas redes.

Foram levados em conta 14 fatores, tanto positivos como negativos, nos quais as redes sociais poderiam impactar a vida dessa faixa etária, na qual a personalidade ainda está em formação. O Instagram foi reprovado em sete desses aspectos, pois os jovens reconheciam que esse aplicativo de compartilhamento de fotos afeta muito negativamente a sua autoestima (imagem corporal), as horas de sono (algo associado a vários transtornos decorrentes de dormir pouco) e seu medo de ser excluído de eventos sociais (conhecido pela sigla inglesa FoMO). Além disso, consideram que o Instagram estimula o assédio digital, gera ansiedade e, em menor medida, sintomas depressivos e sensação de solidão.

“O Instagram leva facilmente meninas e mulheres a sentirem que se seus corpos não são suficientemente bons, enquanto as pessoas adicionam filtros e editam suas imagens para que pareçam perfeitas”, afirma um dos jovens estudados. “O assédio digital anônimo sobre temas pessoais através do Twitter me levou a me autolesionar e a ter medo de ir à escola. O assédio no Instagram me levou a tentar suicídio e também a me lesionar. As duas redes me fizeram experimentar episódios depressivos e ansiedade”, relata um menor de 16 anos que participou do estudo.

O Snapchat obtém notas quase tão negativas quanto o Instagram, embora seja mais prejudicial para as horas de sono e para a ansiedade social decorrente da exclusão de eventos sociais. No ranking negativo segue-se o Facebook, que é a rede mais propícia ao assédio, segundo o estudo. O Twitter melhora levemente as notas das redes anteriores e quase compensa seus efeitos negativos com suas contribuições positivas. O YouTube, finalmente, obtém a aprovação, porque seus efeitos tóxicos são mais escassos, conforme a pesquisa, salvo no caso das horas de sono – esse portal de vídeos é o que menos deixa os jovens dormirem.
Nem tudo é ruim nessas redes: seus aspectos mais positivos foram a capacidade de conscientização (sobretudo no YouTube), de expressão e busca de uma identidade própria (Instagram) e de criar comunidades e encontrar apoio emocional (Facebook).


“Ser adolescente já é suficientemente difícil, mas as pressões que os jovens enfrentam on-line são sem dúvida exclusivas desta geração digital. É de vital importância intervirmos impondo medidas preventivas", dizem as autoras do estudo. O relatório propõe algumas dessas medidas, como que os usuários recebam uma notificação do próprio aplicativo avisando sobre o excesso de uso, que a rede alerte quando uma foto for manipulada ou que sejam feitas campanhas de informação sobre esses riscos no âmbito escolar. Via http://www.msn.com/pt-br/noticias/ciencia-e-tecnologia/instagram-%C3%A9-a-pior-rede-para-a-sa%C3%BAde-mental-dos-adolescentes/ar-BBBp5cO?li=AAkXvDK&ocid=spartanntp

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...