terça-feira, 24 de maio de 2016

Para 63% dos brasileiros, interesses privados de políticos movem impeachment

Fica Dilma

Entre os que são contra o impeachment, 80% acreditam que parlamentares agiram em interesse próprio

Segundo levantamento feito na primeira semana de governo interino de Michel Temer, 70% dos entrevistados não acreditam em país mais honesto após o golpe.

Por Redação RBA

São Paulo – Pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência entre os últimos dias 12 e 16 mostra que os brasileiros estão longe de estar otimistas quando ao futuro do país. Segundo o estudo, 34% dos entrevistados estão pessimistas, contra 31% de otimistas e 30% neutros, nem otimistas e nem pessimistas. Os que disseram não saber são 5%.
As razões que motivaram o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff são bastante mal avaliadas. De acordo com o levantamento, quase dois terços da população, ou 63%, afirmam que deputados e senadores atuaram em seu próprio benefício ou de partidos e instituições privadas. Do total, só 23% disseram acreditar que os parlamentares foram motivados por interesses do país e da população.
Os que se manifestaram dizendo que os parlamentares agiram tanto por interesses próprios quanto em benefício do país somaram 8%. Os que não sabem ou preferiram não responder são 7%.
Segundo a pesquisa, entre os que são a favor do impeachment, 31% disseram que deputados e senadores pensaram nos interesses do país e da população. Já no universo dos que são contra o impeachment, 80% acreditam que eles agiram em interesse próprio.
A pesquisa ouviu 2.002 pessoas com 16 anos ou mais em 141 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
O instituto fez também uma avaliação comparativa com a de 1992, quando Fernando Collor foi substituído por Itamar Franco. Na ocasião, o Ibope fez a mesma pergunta aos brasileiros, e o pessimismo era de 40% dos entrevistados. Otimistas eram 27% e 25% não se manifestaram em nenhuma das duas direções.
“No entanto, naquele período, a esperança do Brasil se tornar um país mais honesto era maior. Em 1992, 44% da população achava que o Brasil seria um país mais honesto depois do impeachment de Collor. Hoje, somente 26% pensam dessa maneira e a maioria (53%) acha que tudo continuará a mesma coisa, percentual que era de 42% há 24 anos”, diz o Ibope. Dos entrevistados, 17% dizem que o Brasil será um país menos honesto após esse processo.

Somando os que dizem que tudo continuará a mesma coisa (53%) com os que acham que o país vai piorar (17%), 70% dos brasileiros não acreditam em um país mais honesto após o golpe.

5 BENEFÍCIOS DO CICLISMO PARA QUEM QUER PERDER PESO

_13080551ff89dda2b53healthy-cycling-1200x900-1
Para quem quer perder peso, praticar exercício físico é um requisito, no entanto, esse não tem de se resumir exclusivamente ao ginásio. Porque não dedicar-se ao ciclismo? Uma atividade desportiva agradável que, podendo ser praticada ao ar livre praticamente todo o ano, é ainda ótima para emagrecer, fortalecer a resistência física e tonificar o corpo. Precisa de mais algum motivo?

/1
A qualquer hora, a qualquer dia:
para além de ser uma atividade desportiva gratuita (tirando o investimento inicial na bicicleta e equipamento complementar), o ciclismo tem a vantagem de poder ser praticado todo o ano (com exceção dos dias muito chuvosos), em qualquer dia e a qualquer hora, sendo que quem pedala é quem decide o itinerário e até esse pode mudar sempre que quiser ou precisar de trocar as voltas à rotina. Em termos de exercício físico, a flexibilidade e a variedade é fundamental para garantir o sucesso de quem quer perder peso.

/2
Pedalar queima muitas calorias:
quer vá fazer ciclismo de passeio, quer vá fazer ciclismo para suar, pegar na bicicleta e pedalar é uma atividade que permite queimar muitas calorias. Saiba, por exemplo, que uma sessão intensa de uma hora em cima da bicicleta pode queimar qualquer coisa como 500 calorias!

/3
Tonifica dos pés à cabeça:
já se sabe que quem faz exercício físico usando a bicicleta, vai ter pernas muito tonificadas – afinal de contas são elas que fazem o trabalho todo. No entanto, se trabalhar bem com o guiador (escolhendo itinerários com muitas viragens para a esquerda e para a direita, entre outro tipo de exercícios), o tronco e os braços também não vão ficar nada atrás! Não se esqueça, tonificar também é perder peso, por isso, toca a pedalar!

/4
Mais quilómetros, mais energia:
estudos realizados em torno dos benefícios do ciclismo apontam para um dado surpreendente – andar de bicicleta não só diminui a fadiga em 65%, como aumenta os níveis de energia em cerca de 20%. O que é que isto significa? Para além de ter vontade de pedalar mais e melhor, vai acelerar significativamente o metabolismo o que, por sua vez, irá auxiliar na perda de peso. E isto aplica-se quer pedale na máxima força, quer faça um passeio de bicicleta tranquilo ao final da tarde…

/5
Levar a bicicleta para o trabalho emagrece:

se optar por ir de bicicleta para o trabalho, não vai precisar de agendar sessões de exercício físico específicas, poupando tempo, mas continuando a perder peso mesmo assim. Sabia, por exemplo, se pedalar cerca de 16 km por dia (ir e vir do escritório), duas vezes por semana, pode queimar cerca de 3000 calorias por mês? Tire a sua bicicleta da garagem, comece a pedalar e a perder peso! Via http://www.bikedica.com.br/

10 DICAS PARA SUBIR MELHOR

Kimmy-Climbing
Ao contrário de outros aspectos do ciclismo, escalar uma montanha com sucesso é considerado pela maioria uma aptidão natural. Mas percebemos que subir bem é uma habilidade muito mais sutil e complexa, que abrange não apenas a adaptação e a aptidão, mas a estratégia.

Ao longo dos anos, devido em parte à influência de alguns ciclistas nas últimas competições, percebemos que utilizar uma cadência alta para as escaladas enfatiza o sistema cardiopulmonar, a eficiência da pedalada, e consequentemente uma recuperação rápida. De forma contrária, uma baixa cadência diminui a eficiência, aumentando a exigência da musculatura e ocasionando uma fadiga precoce. Tudo isso parece simples, mas deve ser analisado com muita calma, pois cada um tem sua individualidade.
Desenvolver essa habilidade também demora um bom tempo. Requer conhecimento e pessoas especializadas para orientar. Algumas perguntas sempre ficam rodeando nossos pensamentos: Será que eu vou me adaptar a essa cadência? Ficarei mais eficiente? Como faço para aprimorar essa habilidade? Como faço para medir de forma quantitativa e qualitativa a minha pedalada?

Na década de 90, os monitores cardíacos (MC) surgiram no mercado, mas não eram todos os ciclistas que o utilizavam. Alguns ciclistas já faziam uso dos MCs desde essa época para monitorar o seus treinos, o que não difere muito do que a maioria usa hoje, quase 25 anos depois. Os treinadores desses ciclistas perceberam que essa ferramenta era apenas um apoio e que o MC não era suficiente. Dessa forma, a equipe desenvolveu um sistema acoplado aos pedais que permitia quantificar as forças exercidas pelo ciclista em todas as direções durante a pedalada. Esse foi um dos pontos cruciais para a melhora da performance e eficiência da pedalada destes ciclistas.

Mudar a cadência de um ciclista é uma tarefa que requer disciplina e metodologia. Deve-se treinar de forma eficiente para criar as adaptações neuromusculares necessárias aos objetivos. Ressalto que comprar o melhor equipamento é apenas o começo. Muitas variáveis devem ser isoladas e estudadas para que a melhora ocorra. Temos que ter em mente que a melhora vem de fatores diversos, como o posicionamento do ciclista na bike, a nutrição, o sono, a dedicação, as condições de treinamento, a genética, os fatores ambientais, o condicionamento físico e psicológico e muitos outros.

1º – A BASE É ONDE TUDO COMEÇA:
Um dos exercícios mais importantes, simples e eficazes para melhorar as suas escaladas é um treinamento com giro alto em terreno plano, acredite. Uma boa dica para os iniciantes é utilizar o tempo do aquecimento com giro alto (comece com 90 RPM e vá até 120). Depois de bem adaptado você poderá incluí-lo no seu treino de giro, treino principal de ritmo e intervalado. Aos poucos você estará apto a pedalar com o giro alto e eficiente.

2º – CONSTRUÇÃO DE FORÇA OFF-SEASON:
Faça musculação e aprimore sua força com uma série específica. Procure um profissional que entenda de ciclismo e treinamento de força. Nesse período é muito importante não fazer treinos extenuantes. Se optar por fazê-los dê um dia de intervalo pelo menos. Dessa forma você poderá executar a sua série com toda a energia (seus estoques de glicogênio estarão adequados e os membros inferiores descansados). Lembre-se que descanso é treino.

3º – INCLINAÇÃO:
Inicie em subidas com uma inclinação de 3 a 5% com giro alto (70-80RPM) para aprimorar a sua técnica. Para variar os grupamentos musculares alterne o posicionamento: suba sentado e em pé da seguinte forma…4 x [5min (75RPM) sentado e 2 min em pé com uma marcha mais pesada (55-60 RPM)]. Existem centenas de treinos para implementar e melhorar a escalada. Procure alguém que conheça do assunto. Se na sua área não tiver subidas longas, procure rampas curtas para executar os seus treinos. Repita a subida por várias vezes. Após estar bem adaptado procure executar seus treinos em subidas longas e com variação de angulação durante o percurso para ter o máximo de estímulos possíveis.

4º – PERCEPÇÃO CORPORAL E MENTAL:
mantenha a parte superior do corpo relaxada, mentalize a força nas pernas, não agarre o guidão, concentre-se na sua respiração, visualize o percurso, mantenha o giro e o ritmo constantes.

5º – SENTADO E EM PÉ:
De um modo geral é mais eficiente e mais rápido sentado no selim. No entanto, em pé sobre os pedais lhe dá uma maior sensação de poder. Portanto, para algumas subidas curtas e íngremes, você não terá escolha, a não ser sair do selim. Geralmente, eu tento ficar sentado por tanto tempo quanto possível. Você precisa encontrar a melhor relação de esforço/conforto.

Geralmente opto por usar mais marchas e levantar menos. Observe também a troca da marcha antes de ficar muito íngreme, pois se deixar ficar poderá ter dificuldades para trocar a relação de marcha (a tensão fica muito alta na corrente).

6º – BEBENDO E COMENDO:
A sua frequência respiratória e cardíaca estará elevada e dessa forma dificultará a ingestão de alimentos sólidos. Leve géis de carboidrato ou bebidas ricas em carboidratos que são mais fáceis de serem consumidas. Se estiver competindo isso será extremamente relevante. Pontos a considerar: antes de começar a subir alimente-se; procure pontos mais fáceis durante a subida; diminua o esforço; conheça o percurso. Tudo isso dificulta as fugas e otimiza a performance no treino e nas competições.

7º – CLIMBING SEASON:
Esse período é bem interessante, pois o foco é subir, subir e subir. Mas lembre-se: com eficiência, não é para se matar no treino! Comece o seu bloco de treinos subindo uma ou duas vezes por semana sem compromisso. Apenas suba. Após algumas semanas você pode começar a incrementar a intensidade, volume e treinos específicos. Procure, nesta fase, não fazer treino intervalado muito forte, pois isso o deixará cansado. lembre-se que o foco é aprimorar a subida.

8º – UTILIZE VÁRIAS MARCHAS:
Hoje em dia as bikes têm 20 marchas, algo que não existia na década de 90. Utilize bastante esse recurso. Aproveite para aprimorar a sua técnica, tanto da pedalada quanto da troca de marcha.

9º – CADÊNCIA:
Faça educativos. Execute-os corretamente e com regularidade para trazer um aumento de economia. Dessa forma a sua pedalada será mais eficiente. Um excelente equipamento de apoio é o rolo (bike trainer). Se possível utilize-o em frente a um espelho. Peça orientação especializada.

10º – TECNOLOGIA:

Compre um medidor de potência com todos os recursos possíveis de cadência, gráfico de força, RPM e outros. Trabalhe as informações de forma metódica com o seu treinador. Faça anotações constantes dos treinos específicos e correlacione com a percepção do esforço/metas alcançadas. Via http://www.bikedica.com.br/

ALERTA! VAI FAZER TRILHAS? ENTÃO SE VACINE!

mosquuito_dengue
Quem vai fazer trilhas em áreas de mata fechada, por exemplo, deve usar repelente, protetor solar, roupas confortáveis, claras e de manga longa ou manguito. Recomenda-se também evitar o uso de perfumes (principalmente os de fragrâncias florais) e trajar peças escuras, pois, além de reterem calor, provocam odores que atraem insetos.

Esses são alguns dos cuidados que o Ambulatório do Viajante do HC recomenda para diminuir o risco de picadas de insetos vetores de doenças como a febre amarela, malária, dengue e leishmaniose. O ambulatório orienta também que não se deve tocar em vegetais, nem pôr a mão ou se aproximar de locais suspeitos, pois podem ocultar animais peçonhentos.

Para viagens a determinadas localidades são oferecidas vacinas específicas. Os profissionais atualizam a imunização de cada usuário com os antídotos de rotina contra tétano, difteria, sarampo, caxumba, rubéola, hepatite B e poliomielite.

A vacinação contra a febre amarela é obrigatória – de acordo com o Código Internacional Sanitário – para quem viaja a países onde a doença é endêmica. Com o objetivo de evitar o risco da “importação” da moléstia, o certificado é exigido também de indivíduos provenientes dessas regiões. O Certificado Internacional de Vacinação contra a febre amarela deve ser anexado ao passaporte, pois essa é uma das exigências da vigilância sanitária de alguns países.

Serviço de vacinação é gratuito e é intensificado no período de férias e de viagens e tem como objetivo evitar a “importação” de doenças.

FEBRE AMARELA
Quem pedala pela região do Goiás deve se preocupar, a cidade de Alto Paraíso de Goiás (GO), na Chapada dos Veadeiros, registrou dois casos de febre amarela, em fevereiro: um rapaz de 22 anos, morador recente do município, e um turista belga que visitou a região. O morador morreu poucos dias depois e o turista se recuperou. Nenhum dos dois havia sido vacinado contra a doença.

COMO VACINAR?
Àqueles que vão viajar para qualquer localidade no Brasil ou no exterior, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) indica que consultem um dos Centros de Orientação para a Saúde do Viajante.


A vacina é oferecida gratuitamente em postos de saúde municipais ou estaduais. Para garantir imunidade, precisa ser tomada no mínimo dez dias antes da viagem. O certificado de vacinação emitido pelo posto de saúde deve ser guardado. Com ele em mãos, pode-se obter o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP).

Temer mostra que é um molambo no poder em apenas 11 dias

disform
POR  via http://www.tijolaco.com.br/blog
Michel Temer mostrou , em cada um dos 11 dias em que usurpou o poder, que não tem condições de exercê-lo,  muito mais num momento de crise.
Não passou um dia sem uma crise.
Nenhuma medida concreta senão as de vingança e mesquinharia.
Só provocou ódio e rejeição.
Sabe conchavar, não conciliar.
Sua “montagem” de governo revelou-se um fracasso.
O lugar-tenente colocou a “fazer contrapeso” a Henrique Meireles nas medidas econômicas não suportou as revelações do aquadrilhamento que o levou ao poder.
Jucá foi apenas um dos acordos.
Temer vai revelando a sua estatura.
É um anão.
Não tem como ser presidente de um gigante.
É apenas o protagonista do primeiro golpe.
Há outro em marcha.
O Judicial e parajudicial. 
Não se iludam. Não há nada mais distante da democracia do que o Judiciário brasileiro.

Tchau Educação e Saúde! Governo suspende novas vagas do Pronatec, Prouni e Fies

Uma das vitrines da área social da gestão petista, programas de incentivo à educação e à profissionalização - como Pronatec, Prouni e Fies - não devem abrir novas vagas neste ano. São efeitos imediatos das medidas de contingenciamento previstas para o Ministério da Educação na gestão do presidente em exercício Michel Temer. A revisão é parte do que no novo governo se chama de "herança maldita" da administração da presidente afastada Dilma Rousseff.
Apesar de em alguns períodos da era petista ser comandada por ministros de outros partidos, o Ministério da Educação sempre foi controlado pelo PT. Dentre os titulares que estiveram à frente da área estão os petistas Tarso Genro, Aloizio Mercadante e o atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.
Interlocutores do novo ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), disseram ao jornal O Estado de S. Paulo que ele pretende honrar até o fim as vagas que já foram contratadas, mas a perspectiva de abrir novas inscrições é apenas para o ano que vem - com otimismo, para os últimos meses de 2016. O novo governo assumiu o compromisso de dar continuidade aos programas educativos iniciados ou fortalecidos na Era PT, mas considera que tem um desafio ao que afirma ser um dos legados deixados por seus antecessores: o orçamento do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) já estaria zerado para este ano, a mais de sete meses do fim.
A decisão de abrir ou não novas vagas - e, se sim, quantas - para Pronatec, Fies e Prouni depende exclusivamente de um balanço financeiro que deverá ser realizado pelo ministro. Novos gestores do MEC têm afirmado que a pasta tem "musculatura" para administrar grandes projetos, mas esse potencial estaria sendo mal aproveitado.
Um dos pilares do slogan Pátria Educadora, escolhido para o segundo mandato de Dilma, é o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), em que o governo financia o estudo de alunos de baixa renda em universidades particulares, "emprestando" dinheiro que, após a formatura, é devolvido pelos beneficiados.
Em 2015, 2 milhões de estudantes estavam matriculados em instituições privadas graças ao programa, no qual foram investidos R$ 17,8 bilhões.
Um ponto, contudo, preocupa o ministro, conforme seus interlocutores: a taxa bancária anual que o MEC paga às instituições para a administração do programa, hoje na casa do R$ 1,3 bilhão. Mendonça Filho não estaria disposto a manter esse gasto para o ano que vem - e tem dito aos colegas que pretende "renegociar" o valor, com a intenção de reverter parte dele para outros programas em 2017.

Bolsas

Outra crítica que os funcionários ouvem do ministro é uma suposta "desorganização e pulverização" dos sistemas de bolsas oferecidas a estudantes socialmente vulneráveis. Mendonça, de acordo com eles, gostaria de unificar os critérios de seleção para as bolsas e, no caso do Programa Universidade Para Todos (Prouni) - menina dos olhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, intensificar o que chama de premissa da meritocracia. Ou seja: para o ministro, a contrapartida do estudante que recebe dinheiro público para estudar deve ser "apresentar resultados". Hoje, o Prouni exige apenas que o bolsista tenha aproveitamento mínimo de 75% das disciplinas cursadas no semestre.

Mais Médicos

Na área da saúde, o programa Mais Médicos, lançado por Dilma Rousseff, também deverá cada vez mais reduzir o número de médicos estrangeiros contratados. Assim que assumiu o posto de ministro da Saúde, o deputado federal Ricardo Barros (PP) já tinha uma ideia em mente: reduzir a participação de profissionais estrangeiros no Programa Mais Médicos. De olho numa aproximação com entidades de classe, Barros avisou que deverá dar prioridade para profissionais formados no Brasil.
As mudanças, no entanto, somente terão início a partir do próximo ano, depois das eleições municipais. Isso porque Barros não quer se indispor com prefeitos. Médicos estrangeiros - sobretudo cubanos - são campeões de aprovação dos administradores municipais.
Há vários motivos para isso: eles estão sempre presentes, o grau de abandono dos cargos é baixo e, principalmente, não fazem sombra no campo político aos administradores locais.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

DILMA: GRAVAÇÃO DE JUCÁ ESCANCARA O GOLPE

:
A presidente Dilma Rousseff comentou, na noite desta segunda (23), durante o 4º Congresso Nacional de Trabalhadoras e Trabalhadores da Agricultura Familiar, em Brasília, a divulgação do áudio da conversa entre o senador Romero Jucá (PMDB) e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, no qual eles afirmam que o impeachment serviria para abafar a operação Lava Jato; “Se alguém ainda não tinha certeza de que há um golpe em curso, baseado no desvio de poder, na fraude, as declarações fortemente incriminadoras do Jucá sobre os reais motivos do impeachment e sobre quem está por trás dele eliminam qualquer dúvida. Repito: a gravação escancara o desvio de poder, a fraude e a conspiração do processo de impeachment promovido contra uma pessoa inocente, sem nenhum crime de responsabilidade", afirmou ela.

247 - A presidente Dilma Rousseff comentou, na noite desta segunda-feira (23), durante o 4º Congresso Nacional de Trabalhadoras e Trabalhadores da Agricultura Familiar, em Brasília, a divulgação do áudio da conversa entre o senador Romero Jucá (PMDB) e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, no qual eles afirmam que o impeachment poderá abafar a operação Lava Jato.
“Se alguém ainda não tinha certeza de que há um golpe em curso, baseado no desvio de poder, na fraude, as declarações fortemente incriminadoras do Jucá sobre os reais motivos do impeachment e sobre quem está por trás dele eliminam qualquer dúvida. Repito: a gravação escancara o desvio de poder, a fraude e a conspiração do processo de impeachment promovido contra uma pessoa inocente, sem nenhum crime de responsabilidade", afirmou ela.
Dilma ainda diz ter certeza que derrubará o golpe. "Tenho a certeza de que juntos vamos derrubar esse golpe, vamos derrotar os golpistas, vamos juntos fortalecer a democracia nesse país. Nós vamos voltar, de uma forma ou de outra", disse.
A presidente ainda ressaltou que "desde o início deste processo", ela tem denunciado o "desvio de poder que está na base do pedido de impeachment".
Abaixo o vídeo do discurso de Dilma:

A SEGUNDA ONDA DA CRISE

LULA MARQUES: <p>Brasília- DF 23-05-2016 Presidente interino, Michel Temer, durante entrega da meta fiscal 2016 ao presidente do senado Renan Calheiros. Foto Lula Marques/Agência PT</p>
"Hoje é que será possível tomar o pulso do Congresso em relação ao desvelamento do que nunca esteve realmente oculto, a verdadeira razão do impeachment: afastar Dilma para que Temer assumisse e promovesse um acordão que estancasse a sangria dos políticos pela Lava Jato", diz a colunista Tereza Cruvinel; "Quem começou a ser sangrado foi Jucá mas pode estar começando uma nova escalada da crise que derrubará a ordem política carcomida que elegeu Temer como tábua de salvação", afirma, prevendo ainda novos abalos com as revelações que virão contra Renan e Sarney
Brasil 274 - Hoje é que será possível tomar o pulso do Congresso em relação ao desvelamento do que nunca esteve realmente oculto, a verdadeira razão do impeachment: afastar Dilma para que Temer assumisse e promovesse um acordão que estancasse a sangria dos políticos pela Lava Jato. O que se viu ontem, uma segunda-feira preguiçosa, foi o silêncio do PSDB, do Centrão, do Supremo e do Renan (que teve a pachorra de dizer que não leu a transcrição dos diálogos entre Romero Jucá e Sergio Machado).  Quem começou a ser sangrado foi Jucá mas pode estar começando uma nova escalada da crise que derrubará a ordem política carcomida que elegeu Temer como tábua de salvação.

Se o script da Lava Jato não mudou, vamos ter a homologação da delação de Machado pelo ministro Teori Zavascki e vazamentos de outras gravações, as que teriam sido feitas com Renan e Sarney.  E desta vez,  só haverá o PMDB de Temer na roda.  Como ele poderá resistir se os tripulantes começaram a desembarcar?  Ontem foi o pequeno PV, que sentido cheiro de sangue no ar, anunciou sua independência. E isso tendo indicado Sarney Filho para o Ministério do Meio Ambiente. Assim faziam também com Dilma.

Marcada para as 11 horas, a sessão que Renan prometeu a Temer para discutir e votar o ajuste da meta fiscal, a anti-meta de R$  170,5 bilhões, vai ser um pandemônio.  Como no tempo de Dilma, a crise política atropelará a agenda econômica. O dia não recomenda o outro evento previsto, a apresentação, por Meirelles, das medidas de ajuste, como corte de despesas e providências para aumentar as receitas.


Onde este repique da crise política vai dar,  ninguém sabe. Mas existem algumas no caminho. Dilma precisa de três ou quatro votos para livrar-se do impeachment no Senado. Mas como iria governar, não tendo um terço da Câmara baixa (sentido literal, por favor). E continua havendo lá,  no TSE, sob a guarda do ministro Gilmar Mendes, a ação que pede a impugnação da chapa Dilma e Temer. A impugnação completa, ainda este ano, daria em nova eleição presidencial. Após 31 de dezembro, na eleição indireta de um novo presidente por este mesmo Congresso que está aí, e que foi capaz de montar a liturgia do impeachment tentando desmontar a Lava Jato. Esta saída, os brasileiros não merecem mesmo!

CICLISTAS PROTESTAM POR CICLOFAIXAS E CICLOVIAS EM NATAL



Os ciclistas vão se reunir na tarde desta quarta-feira (25) para reivindicar pela implantação de ciclovias e ciclofaixas em Natal. O “CicloProtesto”, como é chamado o movimento, tem concentração às 18h 30 min em frente ao IFRN da Av. Salgado Filho, de onde sai para a UNP da Roberto Freire e, em seguida, voltando para o IFRN, de onde partiram. 

Entre as reivindicações está e implantação das Ciclofaixas no novo binário (Mor Gouveia e Jerônimo Câmara); Ciclofaixas e Ciclovias, nas Principais avenidas da cidade; conserto dos buracos na passarela que margeia a Ponte velha de Igapó e bem como a reconstrução da mureta de proteção em alguns pontos; lombadas de concreto, radares, lombadas eletrônicas e “tachões/tartarugas amarelas” na Rota do Sol.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Dilma: Ataques de Temer ao Bolsa Família podem recolocar o Brasil no Mapa da Fome

13240066_651859618305520_8145717811225258378_n
Por Leonardo Miazzo Via http://www.ocafezinho.com

Foto: Mídia NINJA
Dilma: cortes no Bolsa Família podem colocar o país de volta no Mapa da Fome
A presidenta afastada Dilma Rousseff respondeu hoje (18) perguntas de internautas pelo Facebook, prioritariamente sobre o Bolsa Família, para o qual traçou expectativas. “Quase todos os países desenvolvidos possuem programas similares, que se tornam mais importantes ainda durante crises econômicas”, disse.
Afastada da presidência na última quinta-feira (12), pelo Senado Federal, Dilma estava acompanhada da ex-ministra Tereza Campello, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. A pasta foi modificada para Desenvolvimento Social e Agrário, e a ministra, substituída por Osmar Terra (PMDB-RS). Uma das primeiras questões respondidas foi sobre novas políticas em relação ao benefício. Em entrevista recente, o ministro nomeado pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB), disse que promoverá um “pente-fino” no Bolsa Família.
“Me responda o que seria esta reavaliação no Bolsa Família que o ministro falou. Isso poderá cortar benefícios”, questionou uma internauta. Dilma disse: “É verdade. Eles têm falado muito em cortar benefícios. Com o Bolsa Família, falam de cortar de 10% a 30%. Isso significa 4,7 milhões até 13 milhões de pessoas. Veja, eles falaram até em deixar só 5% das pessoas no programa (…) Se o programa for focado apenas neste número, vamos ter a seguinte situação catastrófica: a cada 30 minutos, 22 crianças deixariam de frequentar a escola”.
A presidenta lembrou que o programa exige do beneficiado que seus filhos estejam matriculados no ensino regular. “Hoje, nós temos 17 milhões de crianças e jovens frequentando regularmente a escola graças ao Bolsa Família. Por isso, ficamos preocupados com os cortes”, afirmou.
De acordo com Dilma, o programa além de estimular a educação, fortalece a geração de renda através do trabalho. “Mais de 70% dos adultos trabalham, o mesmo percentual dos adultos que não recebem o programa. Assim, é um preconceito muito difundido por aqueles que querem acabar com o programa achar que quem recebe o benefício não trabalha. O Bolsa Família, para muitos, é um complemento de sua pequena renda, para outros, é a única renda que têm e a diferença entre ter alimento ou não”, afirmou.
Dilma também falou sobre a fome no país. De acordo com as Nações Unidas, nos últimos 12 anos de governo do PT, o país reduziu em 82% o número de famintos, saindo do Mapa da Fome da organização. Ao ser questionada se existe risco de o país retornar para o cenário anterior, disse: “É claro que se houver corte no programa há o risco de voltarmos ao passado. É com orgulho que podemos dizer que nasceu no Brasil a primeira geração de crianças livres da fome e na escola. Não podemos permitir retrocessos”.
Dilma afirmou ser preconceito achar que pessoas se acomodam. "Para ter uma ideia, quase 1 milhão de adultos do Bolsa Família fizeram cursos de qualificação profissional com o Pronatec. Quase 70% são mulheres. Isso mostra que as pessoas sempre querem melhorar de vida.”
Também foi abordada a questão do recadastramento obrigatório para as famílias do programa. “Um dos mecanismos de controle é que os beneficiados, a cada dois anos, têm que atualizar o seu cadastro. Neste ano, 606 mil famílias declararam que tinham melhorado de renda. Isso mostra que a população não considera o Bolsa Família um 'projeto de vida' e quer continuar avançando”, disse.
Por fim, a presidenta fez um balanço do legado do Bolsa Família. “Você consegue imaginar como será o Brasil com adultos que, quando crianças, se alimentaram adequadamente, frequentaram a escola, tiveram acompanhamento de saúde, foram vacinadas? Serão certamente adultos que conseguiram completar sua educação acessarem a universidade. Haverá uma quebra do ciclo de pobreza e eles certamente não vão repetir a história dos seus pais. Será um país melhor", afirmou.
Descontraída, a presidenta agradeceu as mensagens em defesa de seu mandato, da democracia e contra o golpe, e chegou a postar a música Apesar de Você, de Chico Buarque. "Seguimos na luta", concluiu.

Lula já é internacionalmente chamado de Mandela das Américas

Lula
Nelson Mandela foi um líder rebelde, simbolo do antiapartheid, a libertação do povo negro na Africa carrega a sua história. Mandela passou 30 anos preso, considerado um terrorista, foi perseguido por querer libertação do seu povo. “ONationalist Party representava os interesses das elites brancas, especificamente da minoria boere. Após 1948, o sistema de segregação racial atingiu o auge. Foram abolidos definitivamente alguns direitos políticos e sociais que ainda existiam em algumas províncias sul-africanas”.
Assim como Mandela, Lula está sendo perseguido, não por seus erros, mas por libertar seu povo da miséria. Lula é o mais recente simbolo da luta contra a fome no mundo, está ganhando apoio internacional contra a intenção golpista da elite Brasileira, que nunca aceitou perder a presidência do país para um ex metalúrgico vindo do nordeste.
Recentemente o Brasil saiu do Mapa da Fome, devemos isso a políticas implantadas por Lula em seu governo, como o Fome ZeroBolsa Família, e recentemente o Brasil Sem Miséria implantado pela presidenta Dilma.
As manifestações contra Lula, Dilma e contra o Partido dos Trabalhadores, lembra o golpe civil-militar de 1964, onde setores da elite, empresários, fundamentalistas religiosos, mídia planejaram um golpe junto aos militares e com forte financiamento dos Estados Unidos. O país assistiu o fim da democracia, censura e várias mortes. O Brasil não pode assistir calado o que está acontecendo. O Ministério Público pediu a prisão de Lula sem ter provas, com argumentos que não seriam usados nem por crianças, em várias cidades brasileiras empresários estão investindo muito dinheiro para desgastar a figura de Lula e derrubar o governo legítimo de Dilma Rousseff, eleita com mais de 54 milhões de votos.
Vários líderes internacionais, manifestam apoio ao ex presidente Lula, chegando a ser comparado como Mandela das Américas, Mujica, Cristina Kirchner, Maduro, Fernando Lugo, Evo Morales entre outras lideranças da América do Sul também se manifestaram. Via https://jovensdeesquerda.wordpress.com/2016/03/12/lula-ja-e-internacionalmente-chamado-de-mandela-das-americas/

Efeito Governo Temer para você que sonha com uma bolsa na faculdade... MEC suspende novos contratos de Fies, Prouni e Pronatec em 9 faculdades

A Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação e Cultura suspendeu novos contratos do Fundo Financiamento Estudantil (Fies) de nove faculdades, em determinados cursos. 

A medida cautelar está publicada no Diário Oficial da União (DOU) e também prevê suspensão de participação em seleção para oferta de bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni) e ainda restrição na participação no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) para as mesmas instituições. 

As instituições alvo das punições são: 
Escola Superior de Relações Públicas (Secretaria Executivo); 
Universidade Bandeirante Anhanguera (Gestão Financeira); 
Faculdade de Ciências Contábeis de Itapetininga (cursos de Ciências Contábeis e de Administração); 
Faculdade São Camilo (Administração); 
Faculdade Afirmativo (cursos de Direito, Secretariado Executivo e Administração); 
Faculdade José Lacerda Filho de Ciências Aplicadas (Ciências Contábeis); Faculdade São Marcos (Administração); 
Faculdade do Descobrimento (Administração); e Faculdade de Ciências Contábeis Luiz Mendes (Ciências Contábeis). 

A portaria ainda traz penalidades para outras três instituições, o Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas, o Instituto de Ensino e Pesquisa Objetivo e a Faculdade Fernão Dias.

Parlamentares e centrais lançam frente em defesa dos trabalhadores

Frente reunirá 179 deputados e 61 senadores, além de dezenas de entidades sindicais e do meio jurídico | Lula Marques/Agência PT
Frente reunirá 179 deputados e 61 senadores, além de dezenas de entidades sindicais e do meio jurídico | Lula Marques/Agência PT
Hylda Cavalcanti
Da RBA
Mais de 20 entidades representantes de centrais sindicais, federações e da sociedade civil lançaram nesta quarta-feira (18), a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Classe Trabalhadora, composta por 179 deputados e 61 senadores. As atividades foram iniciadas com a realização de um seminário que teve como tema “O mundo do Trabalho: Desemprego, Aposentadoria e Discriminação”, na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado.
A frente tem caráter suprapartidário e agrega o apoio dessas entidades para a organização de manifestações populares, seminários e outras iniciativas com objetivo de impedir a retirada de direitos trabalhistas e conquistas sociais após a posse do governo interino de Michel Temer. Entre os retrocessos temidos pelo coletivo, está oaumento de idade mínima para a aposentadoria, a possibilidade de acordos negociados por empresa suplantarem a legislação trabalhista, a ampliação da terceirização e uma série de outras pautas negativas para os trabalhadores.
O presidente da CUT, Vagner Freitas disse que não se trata de se reunir meramente para “falar mal aqui dos golpistas”. “Quero aproveitar esta tribuna para fazer um chamamento à classe trabalhadora. As vítimas desse golpe são os trabalhadores. O golpe só foi praticado para a retirada dos nossos direitos, é luta de classe na veia. Só a classe trabalhadora organizada e fazendo greve e mobilizações vai permitir e garantir a defesa desses direitos”, destacou. “Os que votaram ou não votaram na Dilma precisam ter consciência de que estamos vivendo outro momento. Precisamos deixar de lado esse tipo de divisão para atuar juntos. Vamos fazer uma agenda de mobilização da construção de greve e queremos chegar a uma greve geral no Brasil.”

Trabalho articulado

A secretária de Relações do Trabalho da CUT, Graça Costa, disse que a finalidade primordial da iniciativa é fortalecer o diálogo do Congresso com as entidades de representação do mundo do trabalho e da sociedade civil, e atuar em todos os espaços de negociação e decisão do Legislativo e perante os demais poderes. “Está em jogo a defesa desenvolvimento econômico e social do Brasil com garantia de direitos para a classe trabalhadora”.
O número de parlamentares envolvidos na frente formada hoje foi elogiado pela presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira. para ela, a adesão dos congressistas é importante para a mobilização social. “Mais do que uma mobilização, o trabalho da frente marca uma ação de orientação à população brasileira para que continuemos organizados”, avaliou.
Ela explicou o fato de os presentes terem empregado diversas vezes as expressões “golpista” e “fora Temer” como uma reação ao fato de o governo empossado inverter a lógica dos projetos de país que foram escolhidos nas urnas.  “A questão não é partidária, mas programática. As ações que estão sendo propostas por esse governo correspondem a tudo o que foi apresentado nas eleições de 2014 e que foi rejeitado pela população por meio do voto. O golpe foi articulado com os empresários, e tentará impor uma pauta negativa para os trabalhadores e isto já está claro”, ressaltou Juvandia.
O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) reiterou que “o neoliberalismo nunca ganharia” uma eleição, lembrando que as pessoas mais influentes do governo interino de Michel Temer perderam as eleições de 2002, 2006, 2010 e de 2014. “Para implementar um programa como este, só há um jeito: dar um golpe. Foi o que fizeram. O objetivo é diminuir direitos da classe trabalhadora, baixar o nível salarial”, disse.
Seu colega de bancada Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT-SP), ex-presidente da CUT, disse que a bancada BBB (de bala, Bíblia e boi) deveria ter “um outro B, que é a bancada dos bancos, também influente no Congresso. “Esse povo não tem nenhum interesse na vida dos trabalhadores. Eles querem lucrar sob qualquer circunstância. E essa Frente Parlamentar vem em boa hora, para nos ajudar a fazer, juntos, uma barreira de defesa da democracia e dos direitos trabalhistas”, afirmou.

Defesa de uma causa

O senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CDH do Senado e um dos coordenadores da frente, destacou que, no total, foram listados 57 propostas consideradas prejudiciais para os trabalhadores em tramitação no Congresso.  “A Frente Parlamentar não defende um partido, e sim uma causa”, disse. “Por isso, mais que nunca, precisamos destacar que essa iniciativa precisa sair daqui, de dentro do Congresso, para fora, para contar com a população das ruas, com atos e manifestações destas entidades que aqui se encontram, nos seus estados.”
O vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Guimarães Feliciano, com contrapartida aos projetos de lei que representam retrocessos, a defesa, pela Frente Parlamentar, a defesa de propostas que representam avanços, como o Projeto de Lei do Senado (PLS) 220/14, que muda a CLT para ampliar direitos relacionados à saúde e à segurança no ambiente de trabalho. E propôs atenção na tramitação do PLS 554/15, que regulamenta a terceirização.
Participam da frente criada nesta quarta-feira entidades como CUT, Associação Latino-Americana de Advogados Laboralistas (Alal), Fórum em Defesa dos Trabalhadores Ameaçados pela Terceirização, Dieese, Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), UGT, Nova Central, Intersindical, CSP-Conlutas, CTB e CSB, Anamatra, Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho, Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal, Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Centro de Estudos Femininos e Políticas para Mulheres (Cefêmea), Movimento Humanos Direitos, Federação dos Sindicatos de Professores e Professoras de Universidades Federais e Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CMN-CUT).
O secretário de Relações Institucionais da UGT, Miguel Salaberry Filho, por sua vez, disse que a central pretende compor, ao lado da frente parlamentar, parceria com as demais centrais e representantes da sociedade civil, para combate contra a perda de direitos e lembrou também que uma das tarefas é “fazer com que leis que não estejam sendo cumpridas passem a ser respeitadas”.
Pela Nova Central, o diretor de Assuntos Parlamentares, Luiz Gonzaga de Negreiros, afirmou que a entidade se manterá fiel à defesa aos diretos e a bandeiras de luta que uniram as centrais nos últimos anos. “Não vamos retroceder nem permitir que tirem de nós direitos obtidos às custas de muito suor pelas categorias. São direitos dos pais de família, das mulheres, dos jovens que estão em jogo.”

Momento de sobrevivência

A dirigente da Intersindical Nilza Pereira lembrou que a entidade fez um combate radical ao que considerou serem ataques a direitos trabalhistas observados no início do segundo mandato de Dilma Rousseff. “Mas se por um lado aquele período era considerado por nós um momento de resistência, o que vivemos hoje é muito pior, é um momento de sobrevivência”, destacou. De acordo com ela, as entidades sindicais precisam recriar uma nova identidade de classe, que nos últimos tempos foi perdida. “A maioria dos trabalhadores não tem mais uma cultura de luta, nem de fazer greve geral. Há um individualismo nas categorias que precisamos combater.”
O dirigente da CSP-Conlutas Gibran Jordão também enfatizou a ilegitimidade do governo de Michel Temer – “Vamos lutar por sua derrubada” –, sem deixar de criticar o governo Dilma . “Não foi segredo para ninguém que nos últimos anos tivemos uma trajetória de combate duríssimo ao governo Dilma Rousseff pelos erros cometidos. E a ascensão do governo Temer só foi possível em razão desses erros”, destacou.
Os problemas do Brasil são se resumem a erros do governo Dilma, na opinião do diretor executivo da CTB Mário Teixeira, para quem a crise política foi deliberadamente tramada pelas forças que “usurparam” o poder. Segundo ele, o principal objetivo do governo Temer não é ajudar o Brasil a sair da crise, “mas para homologar a saída em definitivo” da presidenta. “Os pontos mais sérios para os trabalhadores são, hoje, a extinção do Ministério da Previdência e sua absorção pelo Ministério da Fazenda e a extinção da Secretaria dos Portos, que vai reduzir muitos trabalhos no setor portuário. Precisamos ficar atentos e seguir nesta luta conjunta”, defendeu.

Que os pobres vão morar embaixo da ponte. Assim agiu Coração de pedra, ministro interino TUCANO suspende construção de 11 mil unidades do Minha Casa

bruno_casas

Via Brasil 274 - O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), revogou nesta terça-feira (17) uma portaria editada pelo governo Dilma Rousseff que autorizava a Caixa Econômica Federal a contratar a construção de até 11.250 unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida.
As obras previstas seriam administradas por entidades escolhidas pelo governo e destinadas à faixa 1 do programa, que atende famílias com renda mensal de até R$ 1.800.
O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) repudiou a revogação e prometeu protestar para forçar o governo a recuar.
“É lamentável, mas era previsível. Dissemos desde o começo que o processo golpista visava atacar também direitos sociais. Hoje foi só o primeiro corte, e não tenha dúvidas de que vamos responder nas ruas de todo o país”, afirmou Guilherme Boulos, coordenador do movimento, que organiza atos contra Temer para este domingo (22).

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...